Grupos
Aliança no Tikara
Sem informações.
Ame Kids
Sem informações.
ANBIM
Sem informações.
Aoi Tori
O grupo Aoi Tori, que significa “Pássaro Azul” em japonês, é formado por cabeleireiros, assistentes e manicures do Soho Hair International, que encaram a dança como uma forma de treinar a coordenação motora, além de contribuir com o contato e a união com outros colaboradores da empresa.
A coreografia apresenta uma miscigenação de movimentos tradicionais japoneses e contemporâneos e visa a cultivar a cultura japonesa. É a quinta vez que o grupo participa do Festival Yosakoi Soran. Já se apresentou também no Festival de Garça, interior de São Paulo, e no Bazar Beneficiente da Casa Ikoi-No-Sono, localizada em Guarulhos.

Asuka
O Asuka foi criado em meados de julho de 2007 com a chegada da Shimahara Masako, vinda do Japão, primeiramente como uma parte da escola de língua japonesa de Bragança Paulista. Sua primeira apresentação, em outubro do mesmo ano de sua criação,foi em um encontro de escolas japonesas da região bragantina. Os alunos que começaram a praticar o Yosakoi Soran, se identificaram e se apaixonaram por esse estilo de dança de tal forma que decidiram continuar treinando mesmo após sua apresentação, a qual foi atribuída o verdadeiro motivo da criação do grupo.
Com o incentivo da Associação NIPO-Brasileira de Bragança Pta, juntamente com a Shimahara Masako Sensei, os alunos-fundadores do grupo continuaram suas atividades e treinos. Graças ao centenário da imigração japonesa e ascensão da cultura japonesa no Brasil, foram convidados a fazer diversas apresentações em sua cidade de origem e em cidades da região, tais como: Itatiba, Porto Ferreira, Salto, etc.
Com apenas 1 ano de existência, o grupo participou das comemorações do Centenário da imigração Japonesa , no sambódromo do Anhambi, na capital paulista. Participaram dessa apresentação, aproximadamente, 400 dançarinos que se apresentaram duas vezes durante as comemorações, sendo uma delas para o príncipe japonês.
Em 2008 participou pela primeira vez do Festival de Yosakoi Soran - Brasil, considerado por muitos o Campeonato Brasileiro, alcançando em sua primeira participação o 9º lugar.
No ano seguinte, 2009, participou novamente do Festival, sendo melhor sucedido e obtendo o 4º lugar no festival e recebendo o Prêmio Incentivo por ser o grupo que mais se desenvolveu dentro do período de 1 ano.
Hoje o grupo possui autonomia sendo um departamento separado da Escola de Língua Japonesa de Bragança Pta. Atualmente o grupo conta com, aproximadamente, 17 dançarinos que lutam a cada dia para aperfeiçoarem, cada vez mais, suas técnicas e habilidades no Yosakoi Soran.
Algo que no inicio era feito como um dever da escola japonesa, passou a ser movido pela paixão pela dança e motivo de orgulho de seus praticantes.
O Asuka é muito mais que um grupo de jovens dançarinos. É ,na verdade, uma grande família que sente prazer no que faz e que se esforça para que tenha um melhoramento contínuo de suas atividades.

Visite o website do grupo: http://asuka.yolasite.com/

 
Atibáia Kawa Seiryu Daiko
Sem informações.
Bastos Fujin Kai
A Fujin-Kai da Acenba (Associaçao Cultural e Esportiva Nikkey de Bastos) surgiu em 1993, mas o facínio pelo Yosakoi Soran se deu em 2004 através de uma associada de 84 anos, assídua leitora do jornal japonês.
Além da grande apreciação pela dança, o grupo acredita que com ela é possível o enriquecimento de experiências, elevação de auto-estima e a transmissão da arte, cultura e valores morais japoneses de forma agradável e prazerosa às gerações futuras. O grupo já se apresentou três vezes no Festival Yosakoi Soran.
 
 
 
Belé Yuba
Sem informações.
Biritiba-Mirim
O Grupo Biritiba-Mirim é formado por alunos e ex-alunos da Escola Japonesa de Biritiba-Mirim, com idade entre 5 e 17 anos.
Além de se dedicarem ao estudo da língua japonesa, valorizam a cultura nipônica através de várias atividades, entre elas a dança Yosakoi Soran.
O grupo se apresenta no Festival Yosakoi Soran e em várias festas da cultura japonesa realizadas no Estado de São Paulo, mostrando ao público brasileiro a dança Yosakoi Soran.
 
Castro-Ren
Com quatro participações no Festival Yosakoi Soran, o grupo Castro-Ren é formado por 45 crianças com idade entre 8 e 16 anos, que buscam desenvolver as suas coreografias relacionando-as à cidade de Castro e à cultura japonesa.
O Grupo tem origem na cidade de Castro, em 1983, com alunos do internato japonês.Em 2003, devido ao aumento de participantes, o grupo oficializou-se na Associação Cultural e Ambiental Nipo-Brasileira Castro-Ren, transmitindo a conscientização ambiental e a cultura japonesa em diferentes comunidades, através de suas apresentações.
No último festival eles apresentaram a coreografia:

“Tropeiros”
 
Em meio a nuvens há pó,
Uma imensa tropa.
E neste chão!
A marca da história mais viril do Paraná.
Tropeiro o teu labor leve lastro
Do teu sonho, nasceu Castro.
 
Etno Soran
Com duas participações no Festival Yosakoi Soran, o grupo, formado por jovens da cidade de Embu das Artes, apresenta a campanha “Rio Limpo”, com coreografia baseada na lenda do Dragão. O grupo pretende sensibilizar a população para reciclar o óleo de cozinha usado, através da combinação alegre do Pára-Pára, dança da força, de Yosakoi Soran e da mensagem do Dragão D’Água, que diz: “Dragão pode chamar chuva ou brotar a água, mas quem poderá deixar o rio limpo é cada um de nós”.
Fuugakazan
Grupo Fuugakazan agradece a todos da comissão organizadora do Festival Yosakoi Soran, à platéia, às outras equipes, enfim a todas as pessoas que participaram para tornar este evento possível.
 
 
Rápido como o vento - FUU
Grandioso como o Rio Amazonas - GA
Dominante como fogo - KA
Firme como uma montanha - ZAN
Foi nomeado desta forma, para representar estes elementos dentro da dança do Yosakoi Soran. A idéia da fundação do Grupo surgiu inspirado nas apresentações do Takio’s Soran do Nihonjin Gakkou de Manaus.  Após várias pesquisas na Internet e com a descoberta do Festival Yosakoi Soran de Hokkaido e de São Paulo, foi definido a fundação do grupo, inicialmente como Yosakoi Soran Aikokai. Iniciando a sua atividade informalmente em dezembro de 2005 com 6 membros. Em fevereiro de 2006, os treinos passaram a acontecer na Associação Nipo-brasileira da Amazônia Ocidental(Nippaku) já com 14 membros, integrado no Depto. Cultural do Nippaku.  Atulamente o grupo conta com 40 membros descendentes e não-descendentes, todos admiradores da cultura japonesa.   A meta do grupo para este ano de 2008 é a participação no Festival Yosakoi Soran em São Paulo, representando o estado do Amazonas.
 
Grupo formado por adolescentes de 13 a 25 anos, formado por descendentes e não-descendentes.
 
 

Grupo Crazy
Formado em 2005 por jovens da Associação de Atletismo São Judas Tadeu, o grupo Crazy conta com 19 dançarinos estusiasmados, entre 9 e 18 anos de idade, que encontraram no Yosakoi Soran a oportunidade de resgatar e aprender um pouco mais sobre a cultura japonesa. Participaram pela primeira vez no 5° Festival Yosakoi Soran com muita energia, força e alegria.


Grupo Kaizen
O grupo “Kaizen” surgiu por iniciativa do seinenkai, através do Hiroshi Horita, atual coordenador, que buscou interessados entre os membros da ACENB de São Carlos. Sem muito sucesso, o grupo só se formou depois de quase 1 ano com apoio de Grace Kawakubo, Alexandre Hamasaki e o grupo Tomonokai (São Carlos), contando hoje com mais de 20 integrantes entre 14 e 65 anos. 

Recém-criado, o grupo já se apresentou na capital, e em diversos eventos do interior de São Paulo. O grupo apresenta uma característica muito típica da cidade de São Carlos: os integrantes, em grande parte, são estudantes universitários que chegam à cidade devido às universidades públicas UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) e USP.

Na sua segunda apresentação no Festival de Yosakoi Soran Brasil, o grupo irá apresentar a coreografia "Shizen no mahô" que busca demonstrar toda a força e influência da natureza, principalmente na pesca e na colheita.
Grupo Minbu - ACAL
O grupo Minbu, teve sua formação em 1993 com apoio do Rib.Pires Bunkyô, com objetivo de se formar pessoas sociáveis. Eles dançam desde SARA ODORI e MATSURI NONNOKO (dança tradicional de Nagasaki), dentre outros. Os participantes na maioria são desde nisseis aos yonseis, tendo se apresentado por 2 vezes ao mês em eventos, sendo Yosakoi Soran, parte do seu repertório atual. No ano de 2002, receberam o prêmio máximo no Festival de Música do Bunkyô.


Grupo Mugen
Grupo Mugen (Paranavaí/PR) recebe sensei Masako. Em sua segunda visita a Paranavaí, a sensei de Yosakoi Soran Masako Shimahara esteve auxiliando o grupo Mugen Odori Kai em seus treinos. Ao saber que o grupo se preparava para a sua estréia no 7º Festival brasileiro de Yosakoi Soran, ela contribuiu na coreografia do grupo e sugeriu mudanças. Durante 3 dias de treino, a sensei intensificou os passos criados pelos próprios integrantes do grupo e tornou a performance mais original possível. Além do workshop, o Grupo Mugen deu uma breve aula de Axé e Matsuri Dance para a Sensei que por sinal aprendeu rapidamente e com muito gosto assimilou alguns passos com o Yosakoi.
Mugen significa SEM LIMITES.
 

 
O Grupo Mugen foi idealizado em agosto de 2007 por jovens da Sociedade Paranavaiense de Desportos e Cultura (SPDC), amigos, parentes e afins da cultura japonesa que em primeiro momento almejavam a apresentação da coreografia Takio Soran Bushi na 12ª Festa da Primavera (2007). Da união entre os integrantes desta apresentação, nasceu o Grupo Mugen que passou a treinar regularmente durante finais de semana e feriados na casa de um dos integrantes do grupo, sendo apoiados pelo Grupo Wakaba Yosakoi de Curitiba.
Aproximadamente 50 integrantes compõem o Grupo Mugen, divididos pela matriz Mugen Odori Kai. Estas subdivisões foram adotadas para um melhor diálogo com as diferentes faixas etárias existentes dentro do grupo e também os objetivos que cada subdivisão do Grupo Mugen pretende alcançar. Assim, em maio de 2008, o Mugen Odori Kai apresentou oficialmente o Mugen Kids, divisão feita para os integrantes menores de 12 anos, e, o Mugen Kyodai, nome fictício para a união de jovens interessados em canções pop japonesas e karaokê japonês em geral. No mês de agosto, o Mugen Master realizou sua estréia como divisão do Mugen Odori Kai para os integrantes acima de 30 anos. E, finalmente, em setembro de 2008, o Mugen Matsuri Dance surgiu com objetivo de divulgar este estilo de dança na cidade de Paranavaí.
Após um ano nesta organização, o Grupo Mugen tornou-se oficialmente Departamento Mugen Yosakoi da Sociedade Paranavaiense de Desporto e Cultura e participou do 6º Campeonato de Yosakoi Soran Brasil como torcida do Grupo Wakaba Curitiba.
 
 
13ª Festa da Primavera de Paranavaí
 
Integração entre grupos de Yosakoi no Paraná.
No dia 6 de setembro, o Grupo Mugen Yosakoi Soran de Paranavaí e o Grupo Wakaba de Curitiba participaram juntos da 13ª Festa da Primavera de Paranavaí. O evento que já é tradição em Paranavaí e região, foi promovido pela Sociedade Paranavaiense de Desportos e Cultura - SPDC - que firmou oficialmente neste ano o Grupo Mugen como Departamento de Yosakoi do clube. O Grupo Wakaba, a convite do grupo de Paranavaí, apresentou a coreografia Hyaku Nen no Yume e também o “Dokkoysho” em parceria com o Mugen Yosakoi Soran. Para o encerramento da festa, ambos dançaram o “Burajiru Ondo”, tema escolhido para homenagear as comemorações do centenário da Imigração em Paranavaí. As apresentações tiveram grande repercussão e devido à demonstração de integração e união entre grupos de cidades tão distantes, o Yosakoi provou ser mais do que uma dança e sim um fortalecedor de laços de amizade. Para aqueles que quiserem conhecer os trabalhos feitos em parceria pelos dois grupos, já estão disponíveis no Youtube os vídeos das apresentações realizadas.
 
Mugen & Wakaba - Dokkoysho
Apresentação do grupo Mugen (Paranavaí) em parceria com o grupo Wakaba de Curitiba na 13 Festa da Primavera de Paranavaí.
 
Mugen apresenta: Wakaba Yosakoi - Hyaku Nen no Yume
O Grupo Mugen tem a honra de receber o Grupo Wakaba de Curitiba com a coreografia Hyaku Nen no Yume de Gisele Onuki. Do Grupo Mugen ao Grupo Wakaba, o nosso “Arigatôgozaimashita!”
 
Mugen & Wakaba - Burajiru Ondo
Apresentação de encerramento da 13ª Festa da Primavera de Paranavaí com os grupos Mugen Odori Kai e Wakaba Yosakoi de Curitiba.
“MUGEN - Ao infinito e além!”
 
 

 
Grupo Mugen Odori Kai. Paranavaí - Paraná
Telefone para contato: (44) 9928-7105, (44) 99630069 e (41)96516959
Fotolog:www.fotolog.com/mugenyosakoi
e-mail: mugenyosakoi@gmail.com
Blog: www.mugenyosakoi.blogspot.com



Grupo Oriental
Com o início das atividades do Centro de Referência do Idoso – CRI, a Sra. Terezinha Shiguematsu e Sra.Yoshiko Hada passaram a freqüentar a casa e foram trazendo as amigas. O assistente social que trabalhava na época, Carlos Takeo Ishikawa, queria aprender a folk-dance. Sra Terezinha levou-o para assistir a uma amiga dela que sabia dançar. Ele convidou-a para vir ensinar no CRI. Vieram 6 pessoas que ensinaram os idosos por aproximadamente 3 anos.
Aprenderam também dança folclórica, convidaram outras pessoas para participar e o gripo foi crescendo e ganhou o nome de Grupo Oriental. As pessoas que viram gostaram e quiseram entrar, mesmo não sendo orientais. Passaram a fazer e a ensinar a culinária típica e origami. O grupo é composto por idosos com idade média de 68 anos e possui alguns integrantes nascidos no Japão.
 
Grupo Saikyou
O grupo Saikyou Yosakoi Soran se formou em 2007 e integra o Departamento de Yosakoi Soran da Associação Cultural e Esportiva de Maringá - ACEMA. Tem como objetivo a formação de crianças e jovens integrados nos valores culturais e sociais, bem como transmitir a cultura japonesa para as futuras gerações através da arte, da dança e da música.
 
Em 2010 e 2011, o grupo foi campeão da categoria adulto no 8o e 9o Festival Yosakoi Soran Brasil. No 10o Festival Yosakoi Soran brasil conquistou o prêmio máximo Grand Prix, consagrando-se Campeão Brasileiro 2012.
 
Grupo Sansey
11º Festival Yosakoi Soran 

Formado em 1988, o Grupo Sansey tem como objetivo preservar e difundir a cultura japonesa través da música, além de se preocupar com a formação moral e social de seus integrantes. 
 
Em 2012, representou o Brasil no 21º Yosakoi Soran Festival em Hokkaido, no Japão, conquistando uma colocação entre os 50 melhores dos aproximadamente 400 grupos participantes. 
 
Este ano, o Grupo Sansey volta ao Festival Yosakoi Soran do Brasil com a música “Kita no Hoshi” – Estrelas do Norte, que simboliza a realização de um sonho que só foi possível com a ajuda de muitos amigos. Essa coreografia foi inspirada nas emoções e experiências de dançar e tocar no Japão. Vocais: Aline Hayashi e Anderson Tsumanuma. Composição de Marco Tureta e letra de Shizuo Furukawa.


Grupo Sansey

O Grupo Sansey é uma entidade beneficiente sem fins lucrativos, que tem como objetivo divulgar e preservar a cultura japonesa, através da música e da dança. Promove apresentações musicais em asilos, creches e escolas para portadores de necessidades especiais e para o público em geral. Todos os recursos arrecadados são destinados à doação para entidades carentes. Formado por jovens, em sua maioria nikkeys, o grupo pratica o Yosakoi Soran desde 2003 e já participou diversas vezes do Festival Yosakoi Soran.
 
 

 
Grupo Sansey vai ao Japão
 
Grupo tricampeão brasileiro vai fazer a abertura da grande final do maior festival de yosakoi soran do Japão, com cerca de 500 equipes participantes.
O Grupo Sansey vai participar do maior festival de yosakoi soran do Japão. Trinta pessoas, sendo 27 dançarinos, 2 cantores e o chefe da delegação, Claudio Shizuo Furukawa, embarcam no início de junho para o Yosakoi Soran Festival, na cidade de Sapporo, província de Hokkaido (norte do Japão). É a primeira vez, em 17 anos do festival japonês, que uma equipe brasileira participa do evento.
Nos dias 4, 5 e 6 de junho, o Sansey vai realizar cinco a seis apresentações diárias, em vários locais diferentes. O grupo também foi convidado a fazer a abertura da grande final, em que concorrem apenas 8 finalistas, dos cerca de 500 grupos de todo o Japão previstos para este ano. “Nós vamos participar como convidados, representando o Brasil no ano do Centenário da Imigração Japonesa ao Brasil”, explica Mity Shiroma, presidente do Grupo Sansey.A equipe londrinense foi escolhida por ser tricampeã brasileira nessa modalidade de dança japonesa.
Para Mity, esta será também uma oportunidade de mostrar a integração da comunidade nikkei na sociedade. Vale lembrar que a música que será apresentada, “Yosakoi Soran – Asas dos Sonhos”, foi composta pelo músico Marco Tureta, e Mity e Shizuo Furukawa compuseram a letra em japonês. O grupo também tem um integrante que é negro – e budista.
O Yosakoi Soran Festival começou em junho de 1992, reunindo 10 equipes e um público de 20 mil pessoas. O crescimento dessa nova dança, que mescla o tradicinal soran bushi de Hokkaido com o moderno yosakoi da província de Kochi, foi vertiginoso. Para se ter uma idéia do tamanho do festival hoje, em 2007 foram inscritas 341 equipes, em um total de 44 mil participantes. O público dessa edição, segundo o site oficial, superou 2 milhões de pessoas.
A viagem, confirmada oficialmente somente na semana passada, foi possibilitada pela Associação Yosakoi Soran do Brasil, e vem sendo negociada desde o ano passado. Um coordenador do festival no Japão chegou a vir ao Brasil em 2007 para avaliar o nível de qualidade dos grupos, e, segundo Mity, mostrou-se impressionado.
Agora, além de ensaios intensos, o grupo se prepara também financeiramente para poder viajar. O Sansey planeja realizar promoções para arrecadar dinheiro para a compra de mais instrumentos, acessórios e a confecção de trajes. Como o festival vai ajudar apenas com o transporte terrestre do grupo, Hideaki Iijima, presidente da Associação Yosakoi Soran do Brasil, decidiu arcar com as despesas aéreas do grupo todo. Assim, o grupo quer arrecadar dinheiro para que Iijima não precise desembolsar uma fortuna.

*curiosidade: esta será a segunda vez neste ano em que a professora do grupo, Aline Kashinoki, viajará ao Japão a convite. Em fevereiro, ela passou sete dias no arquipélago com um grupo de 25 pessoas, com todas as despesas pagas pelo governo japonês, pelo programa “Jovens Líderes Brasil-Japão”.

 
 
 
Londrinenses dançam na Terra do Sol Nascente
 
Pela primeira vez no Japão, o grupo Sansey se apresentará no Festival de Yosakoi Soran, evento que reúne um público de 2 milhões de pessoas Read the rest of this entry.
 
Grupo Vida é arte - Perfect Li
São representantes de cerca de 200 crianças que praticam a dança/esporte Baston na Instituição Religiosa Perfect Liberty no estado de São Paulo. A meta do grupo é transmitir alegria a todas as pessoas que prestigiam. Acreditam que este é o primeiro passo para a paz universal.
Dentre os participantes, há aqueles que não praticam a dança/esporte Baston e também são de fora da instituição religiosa.
 
 
Hanabi Soran
Sem informações.
Heisei Naruko Kai
Participando pela quarta vez do Festival Yosakoi Soran, com grande adesão de alunos, ex-alunos e professores de língua japonesa que, por iniciativa própria buscaram novos integrantes para compor o grupo de apresentação. O grupo Heisei Naruko Kais apresenta uma coreografia onde os movimentos representam a integraçãodo universo masculino e feminino. De um lado a força, o vigor e a persistência e, do outro, a delicadeza, a proteção e a sensualidade. Quando esses elementos se integram, ocorre uma profusão de movimentos que emanam vibração e alegria, que caracterizam o Yosakoi Soran.


Heisei Naruko Kids
A Escola Heisei - Educação Infantil e Ensino Fundamental - confirma sua filosofia educacional participando do V Festival Yosakoi Soran do Brasil. Desde o início de junho, os alunos participam dos ensaios com bastante entusiasmo e vigor, para apresentarem uma coreografia que evidencia o lúcido e os movimentos da agitação do mar até a prática do ofício da pesca, que marcam e caracterizam o Yosakoi Soran. 


Ishin
Ishin significa “um só coração”. Formado em 2002 por jovens de diversas entidades de São Paulo que têm um objetivo em comum: compartilhar a arte e a cultura japonesa por meio do Yosakoi Soran.
Para tanto, o grupo preza por elementos tradicionais da dança, sempre acompanhados de movimentos firmes e ritmos vibrantes. Com mais de 50 apresentações, vem conseguindo, sempre com muita alegria, fortalecer os laços de amizade e aproximar os jovens da cultura japonesa.
 
 
Coquetel de Lançamento 6º Festival Yosakoi Soran
 
No dia 30 de abril de 2008, participamos do coquetel de apresentação do 6º Festival de Yosakoi Soran no Brasil. O evento aconteceu no Hotel Four Plus Trianon Paulista.
Como era uma quarta-feira à noite, véspera do feriado, foi enviado um Expressinho Ishin com: Rubens, Mayumi, Gustavo, Mitie, Maya e Ju Saito. E eu, Henrique, na reserva.
Foi uma apresentação diferente, pois foi feito um teste para um novo figurino para o grupo, conforme a foto abaixo:
Outro fato interessante foi que precisávamos de um lugar para guardar a famosa Ishin-Mala com os acessórios e roupas. Inicialmente, iríamos guardar na recepção, mas logo depois nos ofereceram um quarto muito legal, com frigobar, TV e xampus em miniatura - tudo foi deixado lá.
Depois da entrevista que Maya e Gustavo deram, fomos chamados para descer para a apresentação. A coreografia apresentada foi a C2007.
Finalizada a apresentação, começou o coquetel e exibição de vídeos do festival de Yosakoi Soran do Japão.
 
 
 
O coquetel estava muito bom. Mayumi ensinou uma técnica muito interessante para beber coisas de densidades diferentes.
Coloque o canudo lá no fundo (do copo) e, conforme vai bebendo, leve o copo para baixo (ou suba o canudo) para pegar as bebidas. Realmente é possível perceber os sabores diferentes.
Rubens Matsuda, 28, acredita que “é importante demonstrar para todos, inclusive futuros patrocinadores, o que é o Yosakoi Soran, pois, pelo vídeo, você tem apenas uma idéia de como é a dança; ao vivo, é possível passar toda a vibração de uma apresentação, mesmo com apenas seis integrantes, como aconteceu hoje”. “Para o grupo, é importante esse contato com a imprensa, para que possamos divulgar ainda mais esta dança, como parte da cultura japonesa”, finalizou.
O grupo agradece aos organizadores pelo convite.


 
Pessoal, o Grupo Ishin também tem um blog, visitem e comentem!
http://grupoishin.blogspot.com
 

Kaito Shamidako
Sem informações.
Kaito Shamisen Banda
O KAITO Shamisen – banda, vêm se destacando há muito tempo com shamisen, shakuhati e taikô. A finalidade é demonstrar o original do Yosakoi-bushi e Soran-bushi, para melhor compreensão da raiz do Yosakoi Soran, composto de música e instrumentais ao vivo.

Kishouraku
Nosso grupo representa a Associação Nipo-Brasileira de Brasilia - Bunkyo.
 
 

 
Nosso nome é representado por três kanjis que traduz  nossos sentimentos quando estamos dançando o ritmo do Yosakoi soran. Os kanji significam:



? (Ki)- quer dizer alegria
? (Shou)- quer dizer voar, pular
? (Raku)- quer dizer diversão
Grupo surgiu em outubro de 2007, com um workshop que ocorreu na UnB realizado pela embaixada japonesa, com apoio do Grupo Sansey de Londrina.
O grupo foi fundado recentemente, por interesse dos integrantes que participaram do workshop realizado em Brasilia.
O simbolo do grupo vem da representação da flor de sakura como uma paixão e as estrelas e a lua como a noite q vem da tradução da palavra Yosakoi que significa ”Paixão que vem da noite”
Somos um grupo novo, mas com muita vontade de aprender tudo que há de novo nesta modalidade de dança.
 
 
Masako Sensei em Brasília
Foi realizado nos dias 27 e 28 de Março, um workshop e treinos de Yosakoi Soran com o Grupo Kishouraku.
O grupo é novo, e é composto com 21 integrantes, com idades de 13 a 24 anos.
 


Kitsume Soran
Sem informações.
Kizuna
Sem informações.
Kodomo-kai de Interlagos
Sem informações.
Kotobuki Group
Sem informações.
 
Naruko Yosakoi Soran
Sem informações.
 
Requious Geinou Doukokai
O grupo Requious Geinou Doukokai é formado por crianças, jovens e adultos, tendo como finalidade transmitir a cultura e o folclore da ilha de Okinawa através de performances artísticas feitas com Taikô.
A apresentação baseia-se no Eisa, um estilo de dança realizada nas festividades do Obon, uma festa dedicada aos antepassados, caracterizada pelo ritmo das batidas dos taikôs e do shamissem, (instrumento de corda), nos trajes coloridos e na beleza e jovialidade de seus integrantes.
 
Ryukyuu - koku matsuri Taiko
O Ryukyuu – koku  matsuri Taiko, é uma filial do grupo sediado na província de Okinawa, no Japão.
Fundado em 1983, o grupo realiza performances artísticas utilizando vários taikôs, bandeiras, bastões e outros instrumentos da cultura Okinawa. Sua dança é baseada no “Elsa”, que é uma dança realizada por jovens nas festividades dedicadas aos mortos, o “Obon”. E o taikô é uma característica marcante, pois as batidas simbolizam um convite aos mortos na festa.
O Ryukyuu – koku  matsuri Taiko vem conquistando adeptos a cada ano, tendo várias filiais espalhadas pelo mundo: Hawaii, Los Angeles, México, Peru, Bolívia, Brasil, Argentina e Carolina do Norte, e várias pelo Japão.
O grupo possui atualmente cerca de 150 membros, entre adultos e crianças, de 4 a 30 anos, com “subflifiais” no bairro da Liberdade, casa verde e nas cidades de Guarulhos e Campinas.
 
 
Sansey Ladies
Sem informações.
Sanshimai Odoriko

O grupo Sanshimai Odoriko de Dourados é composto por jovens de 12 a 29 anos aproximadamente.
Formado em 2003, tem o objetivo de transmitir a tradição e a cultura japonesa por meio da música folclórica de Kochi-ken, modernizada e melhorar o relacionamento entre as pessoas.
Se apresentaram no evento cultural Japan fest, realizado pelo Clube Niponico de Dourados.

Seishun
11º Festival Yosakoi Soran 

O Grupo Seishun foi formado em 2008 por jovens da Associação Esportiva e Cultural Nipo Brasileira de Campo Grande - Mato Grosso do Sul, e participa do Festival desde 2009.
 
Este ano, com a brilhante participação do Grupo Shinsei Taiko da Associação Okinawa de Campo Grande, traz o tema "Yoake", que significa Alvorada. O figurino e a sequência da coreografia retratam o alvorecer, juntamente com a mensagem de que, por mais escuros e densos a noite e os obstáculos da vida sejam, podemos sempre acreditar que a belíssima mistura de cores da Alvorada de um novo dia trará esperanças e forças para vivermos com a alegria da juventude da alma!

Seishun 

Somos do grupo Seishun e representamos a ASSOCIAÇÃO ESPORTIVA e CULTURAL NIPO BRASILEIRA DE CAMPO GRANDE - MS.
Tivemos a oportunidade de participar em 2004 e, em 2008, no ano do centenário, queremos estar presente, prestigiando este evento. Somos um grupo novo, mas com muita vontade de aprender tudo que há de novo nesta modalidade de dança.
 
Shekinah
Desde o início, o objetivo do grupo, cujo nome significa “Buscando a Glória”, foi usar a critividade com movimentos leves, que pudessem trazer união entre todos os participantes. Com três apresentações no Festival Yosakoi Soran, o grupo conta com novos integrantes que se juntaram recentemente ao time de colaboradores do Soho Hair International. Todos os integrantes apreciam muito a dança e gostam demais de dançar.

Shiawasse Soran
Sem informações.
Shinsekai
TRADIÇÃO
 
Leveza e beleza da cultura nipônica são também atração na capital paraense
Nas comemorações do centenário da imigraçao japonesa no Brasil, um grupo de dança em Belém valoriza essas duas culturas por meio da introdução de novos elementos, como bandeiras e leques, para dar maior dinamismo às performances, mas, sobretudo, na disseminação do simbolismo e da beleza da arte nipônica entre os paraenses. É o grupo Shinsekai, que significa ‘Novo Mundo’, constituindo-se esse nome do grupo em homenagem ao Centro Educacional Nipo-Brasileiro Novo Mundo. Essa escola cede espaço para a realização dos ensaios dos dançarinos.
À frente do Shinsekai estão Daiti Osakada e Mônica Honda. Como informa Nelson Delgado, integrante do grupo, há um terceiro coordenador do grupo, e também membro fundador do grupo, Igor Almeida, atualmente no Japão cursando mestrado. O Shinsekai está em atividade desde 2006, quando, então, um grupo de pessoas teve conhecimento da dança Yosakoi Soran no Pará. O Shinsekai faz parte da Associação Nikkei de Belém.
Em apresentação recente, no Amazônia Matsuri 2008, o Shinsekai inseriu elementos já são incorporados por grupos do Japão e do Sul/Sudeste do Brasil, como bandeiras e leques, mas novidade no Pará. A repercussão foi positiva e ampla pelo Brasil afora, com elogios de pessoas do Paraná e de São Paulo, as duas potências no Yosakoi Soran no País. O grupo foi destaque na página principal da Associação Yosakoi Soran Brasil na internet (www.yosakoisoran.org.br). Nelson Delgado informa que o Shinsekai investiu em aprofundar conhecimentos sobre as raízes do Yosakoi Soran, no primeiro semestre do ano, especificamente na tradicional dança Soran Bushi, originária da ilha da Hokkaido, ao norte do Japão. Essa dança é uma das que deram origem ao Yosakoi Soran, e, inclusive, foi apresentada por grupos paulistas e paranaenses na solenidade oficial do Centenário da Imigração Japonesa, em São Paulo. Um outra ação do Shinsekai foi a pesquisa e montagem de uma coreografia nova, com incorporação de elementos para apresentações ao público.
O Shinsekai reúne 40 integrantes, entre alunos e instrutores, dos quais apenas sete são descendentes de japoneses e há um dançarino chinês legítimo. A maioria dos integrantes é de mulheres, e a idade dos dançarinos varia de 13 a 30 anos, entre estudantes do ensino médio e universitários.
A dança Yosakoi Soran mostra-se muito vibrante, com movimentos vigorosos. Para os dançarinos, é fundamental combinar os passos com a roupa, e explorar bastante o efeito visual dessa combinação. Leques, sombrinhas japonesas, taiko (tambores) também são outros elementos que dão mais atratividade às apresentações. Mas nada substitui a alegria e a empolgação de quem dança, características observadas no Shinsekai. De 2006 para cá, o grupo já se apresentou em eventos ligados à cultura japonesa. Foi atração na abertura de jogos escolares, feiras culturais e programações organizadas em restaurantes. Ainda neste ano, 2008, o Shinsekai apresentou-se na comemoração do aniversário de Belém, na praça Batista Campos; na programação comemorativa dos 100 anos da Imigração Japonesa no Brasil, no Aeroporto Internacional de Belém, no São José Liberto e no Hangar - Centro de Convenções da Amazônia. Agora, o grupo está presente na 12ª Feira Pan-Amazônica do Livro, e para o ano pretende disputar o Campeonato Nacional de Yosakoi Soran, que será realizado em São Paulo no mês de julho.
 
http://www.orm.com.br/oliberal/interna/default.asp?modulo=248&codigo=372301 



Grupo da região Norte!!!
 
No dia 14 de setembro de 2008, o Grupo Shinsekai - Belém/PA se apresentou no “Amazônia Matsuri”, realizado no Hangar - Centro de Convenções da Amazônia.
Esse evento, em sua segunda edição, é o maior do Estado do Pará relacionado à cultura japonesa, e reuniu, dentre outras atrações, apresentações de taiko, workshop de anime e shows do cantor Masaki Hajime e da banda 14 Bis.
 
 
Apresentação da coreografia Nanchu Soran na praça Batista Campos pelos 392 anos da cidade de Belém.
 
Apresentação da coreografia Nanchu Soran no Shinnenkai 2008 na Associação Nipo-Brasileira de Belém/PA.
 
Apresentação no Ginásio do SESI [Belém-PA] em 11.11.2007
 


 
O grupo Shinsekai é incentivado e sediado no Centro Educacional Nipo-Brasileiro Novo Mundo em Belém/PA. Criado em 2006, nesta instituição, o grupo dedica-se ao aprendizado e ensino de danças japonesas como Yosakoi Soran e Nanchu Soran Bushi, tendo se apresentado nos mais importantes eventos da comunidade japonesa do Pará. O grupo atual conta com 30 pessoas, entre professores e alunos.
 
Shionko
Trata-se de um grupo misto, de diferentes faixas etárias e diferentes formações educacionais.Nele se encontram estudantes do ensino fundamental, médio, universitário e até profissionais recém-formados.
Tudo começou em 2001, através de um vídeo em que se exibia o Yosakoi Soran de Hokkaido. A garra, o brilho e a animação presentes nos gestos e nos semblantes dos dançarinos contagiaram a todos e serviram de incentivo para a formação do grupo. É uma maneira dos jovens reverenciarem os seus antepassados, mesclando o tradicional e o clássico ao moderno.
 
Shohaku & Oshiman
Formado por alunos de 10 a 16 anos do COLÉGIO OSHIMAN, (Educação Infantil e Ensino Fundamental), e do curso de língua japonesa SHOHAKU.
Quando os alunos da escola estiveram em Hokkaido em um undokai, conheceram a beleza do Yosakoi Soran. Trouxeram o material para o Brasil, e iniciou-se daí a adesão. Praticando o Yosakoi, tem servido para despertar o interesse pelo Japão nas crianças.
 
Soho Butterfly
Sem informações.
Soho Gueropa
Sem informações.
 
Soho Kairyu
Sem informações.
 
Soho Mix
Sem informações.
Soho Shunkashutou
Sem informações.
Taubaté Kaito
Sem informações.
Tomodachi de Birigui
Apresentação do Grupo Tomodachi de Birigui no 11° Festival Yosakoi Soran 

O grupo Tomodachi de Birigui vem com a coreografia deste ano intitulada de: RYOSHI NO YOAKE (Madrugada dos Pescadores).Com a música por conta de Mitsushi  Jindai e a coreografia por conta de Kazutoshi Suzuki, o grupo tem como objetivo, representar a luta dos pescadores contra o mar, ventos e tempestades na região de Hokkaido; sempre mostrando o YAMATO DAMASHII (o verdadeiro espírito japonês) com vigor, energia e bravura; iniciando na madrugada até o nascer do sol, o grande amanhecer do JAPÃO!!


Quem tem calma é pescador, gostando do mar bravo e de muitas tempestades.Pescar sempre, pegar peixes as vezes, mas desistir nunca!!


O GRUPO AGRADECE À TODOS QUE AJUDARAM DIRETA E INDIRETAMENTE, PARA A REALIZAÇÃO DE MAIS UM SONHO!!





UM EXEMPLO QUE VEM DE BIRIGUI


Autor: Francisco Noriyuki Sato


Ano de 2011, em São Paulo. Um grupo de 37 dançarinos, formado por crianças e adolescentes, brilha no amplo palco do Via Funchal, na Vila Olímpia. O grupo é o Tomodachi, da cidade de Birigui, da região Noroeste do Estado de São Paulo. O evento é o 9º Festival Yosakoi Soran, uma competição de dança, realizado no dia 31 de julho, com a participação de 16 equipes de todo o Brasil.
Os jovens birigüienses, que participaram pela quarta vez desse evento, saíram do palco ovacionados pelo público e aplaudidos pelos jurados. Como resultado, receberam o título de primeiro lugar em sua categoria, a juvenil.
Na entrega dos prêmios, era visível a alegria contagiante do grupo, que não era apenas por vencer a competição, já que haviam conquistado a mesma classificação no ano anterior. A alegria e as lágrimas emocionadas se fizeram jus, porque não foi fácil, porque houve muito preparo para que aquela coreografia desse certo. Enquanto outros grupos apresentaram uma coreografia próxima do tradicional, o Tomodachi de Birigui levou ao palco uma apresentação mais dinâmica e complexa. Afinal, quem criou aquela coreografia original?
Voltando no tempo, o ano é 1961 e o lugar é Tóquio, a capital japonesa. O jovem escultor Hisao Ohara, de 29 anos, e sua esposa, a bailarina e coreógrafa Akiko Ohara (foto abaixo), de 26 anos, preparam suas malas para uma viagem inesquecível ao Brasil. Mas não iriam fazer turismo. Haviam decidido morar na Fazenda Yuba, em Mirandópolis, onde o patriarca Isamu Yuba, visualizava uma nova fase cultural em sua comunidade, com a construção do teatro e o ensino da arte da escultura.
O casal chegou no dia 14 de dezembro daquele ano, e a comunidade começava a construir o seu teatro, onde a experiência de Hisao, formado em Belas Artes e com vivência em atuação, cenografia e iluminação, seria muito útil. Enquanto isso, as crianças ensaiavam as peças que seriam apresentadas na festa de Natal, e Akiko, com experiência em coreografia para televisão, começou a orientá-las. Logo, Akiko passou a ensinar balé moderno a esse grupo, formando o famoso balé de Yuba, que divulgaria o nome da fazenda comunitária para todo o mundo.


Do balé moderno ao yosakoi soran de Birigui

Mais de 40 anos depois, em 2003, o grupo de balé de Yuba participou do 1º Festival Yosakoi Soran, que foi realizado no bairro da Liberdade. O grupo já tinha o “Soran Bushi” (uma das danças que deu origem ao Yosakoi Soran) em seu repertório, e foi fácil fazer a adaptação para o evento, que naquele ano, não teve caráter competitivo. Já no ano seguinte, Yuba venceu o Festival.
Há alguns anos, o Yuba não participa desse evento, devido aos afazeres de seus jovens integrantes, mas a coréografa Akiko Ohara continua em ação. Ela é a autora da bela coreografia do grupo Tomodachi de Birigui.
Em 2008, preparando as comemorações do Centenário da Imigração Japonesa, Noemia Sakai teve a ideia de montar um grupo de yosakoi soran em Birigui. Sabendo da sua tradição na arte da dança, solicitou ajuda à comunidade Yuba, que prontamente enviou a professora Saki para formar um grupo na cidade. No mesmo ano, Birigui conquistou o segundo lugar no Festival de Yosakoi Soran.
Infelizmente, a professora Saki foi para o Japão, e o grupo ficou sem orientadora. Mesmo assim, com muita coragem e determinação, e sem nenhuma ajuda dos pais, os 16 jovens do Tomodachi prepararam o show, treinaram por conta própria, arrumaram um microônibus, pago pela Associação Cultural e Esportiva de Birigui e pelo Fujinkai (departamento de senhoras), e foram para o Festival. “Nem mesmo um lanche nós pais levamos para eles”, conta Monica Terumi Endoh Baba, mãe de duas dançarinas, que completa: “Quando um coordenador do evento disse-lhes que, se o grupo tivesse mais integrantes, poderia ter conseguido o terceiro lugar, eles choraram muito”.
Foi então que Monica e outros pais, tios e avós perceberam que esses jovens mereciam todo o apoio da comunidade. Noemia Sakai teve de se afastar da coordenação por motivo de saúde, e Monica assumiu esse posto, sendo apresentada à coreógrafa Akiko Ohara da comunidade Yuba. E dessa vez, a própria professora Akiko resolveu aceitar o trabalho de orientar os jovens de Birigui.
Desde então, ela e suas assistentes, Julia, Emi e Marian, viajaram todos os sábados durante quatro meses, da comunidade Yuba até Birigui, num percurso de quase 150 km, para coreografar e preparar o grupo. O resultado foi o primeiro lugar conquistado em 2010.


A coreografia do Tomodachi

Os pais, por outro lado, trabalharam intensamente, vendendo rifas, fazendo pizzas e pastéis e até organizando bailinhos no Carnaval para arrecadar fundos para o grupo, que não tem patrocínio de grandes empresas.
Depois da vitória em 2010, Monica deixou a coordenação do Tomodachi, ficando Ikuo Suzuki, líder do beisebol na cidade, em seu lugar. Monica continuou ajudando nos treinos e incentivando a equipe.
Este ano, o Tomodachi ganhou uma música original, composta especialmente para o grupo no Japão por Mitsushi Jindai e com arranjo de Masakatsu Yazaki. A partir dessa música, a professora Akiko criou a coreografia com o tema “Aki no Kaze” (Vento de Outono). A professora e sua equipe repetiram as viagens e a dedicação do ano anterior, e o resultado foi mais uma vitória em 2011.
Questionada sobre a nova coreografia, que lembrava a do teatro de Takarazuka, a professora explicou que todas as danças de palco, incluindo a de Takarazuka, são feitas para serem apreciadas pelo público que está no outro lado, e nesse sentido, são semelhantes entre si (o que é diferente do “bon odori” que é dançado em círculo e o público assiste ao redor). “Mas, no fundo, talvez haja alguma influência do teatro de Takarazuka”, comentou Akiko, hoje com 76 anos. O motivo é que o casal Haruo e Akiko Ohara sempre apreciou o Takarazuka e, enquanto morava no Japão, assistiu a todos os shows desse grupo teatral quando se apresentava em Tóquio. Quando Takarazuka visitou o Brasil na década de 70, o casal Ohara viajou a São Paulo para vê-lo no Teatro Municipal. O Takarazuka tem origem na cidade do mesmo nome, e se caracteriza por um elenco exclusivamente feminino. Na origem, em 1914, ele foi influenciado pelos musicais de Londres, Paris e Nova Iorque.


A prova de que, com esforço, tudo se consegue

A coreografia foi bem elaborada, mas como treinar um grupo heterogêneo de 36 integrantes que tem desde uma menina de 7 anos a jovens de 21 anos? Sendo que uma delas é 100% deficiente auditiva?
A resposta está na motivação do grupo. A professora Akiko conta que vale a pena o sacrifício ao ver crianças e jovens tão dedicados e motivados, como o Luiz Henrique Suzuki, de 17 anos, que apesar de ter que estudar para os exames vestibulares, liderou os colegas, treinando-os durante os dias da semana.
Garotos empenhados como o garoto Vitor Ken Nagano, de 9 anos, que quebrou o braço a 8 dias do Festival, mas se apresentou mesmo assim, com o braço engessado. E dançou tão bem que ninguém reparou nesse detalhe. “São histórias assim que mantém o grupo unido e forte”, comenta Monica Baba.

E são histórias desse tipo que fornecem energia para a professora Akiko Ohara. Ela, por sua vez, sofre de dores nas pernas e nos pés, e adiou uma cirurgia para depois do Festival de 2010, para poder treinar os esforçados jovens. Este ano, novamente, esperou terminar o Festival para se submeter à nova cirurgia. “Ela nunca reclamou nada e só ficamos sabendo muito tempo depois”, lembra Monica.
A professora Akiko Ohara e o grupo Tomodachi de Birigui mostram, com seus exemplos, que o antigo e verdadeiro espírito japonês “yamato damashii” ainda existe dentro da comunidade nipo-brasileira. Cabe a nós preservá-lo.
 Francisco Noriyuki Sato é jornalista e editor, autor dos livros “História do Japão em Mangá”, e “Banzai!”, entre outros. É editor do site www.culturajaponesa.com.br.


O que é Yosakoi Soran? Saiba tudo no http://www.culturajaponesa.com.br/htm/festivaistopo.html
Veja texto sobre o 9º Festival e outras fotos: outras fotos do 9º Festival Yosakoi Soran
Saiba mais sobre o teatro de Takarazuka: Ópera Takarazuka Kagekidan

Tottori Shan Shan Kassa
Sem informações.
Tsubasa
Ribeirão Preto / Sto Amaro Bunkyo – Rengô
 
Composto por jovens entre 15 e 19 anos, cujo interesse e paixão pela cultura japonesa impulsionaram a sua formação. Desde seu início, no final de 2004, os grupos Ribeirão Preto e Santo Amaro, esperiodicamente tem se apresentado em diversos eventos comemorativos em cidades do interior do Estado de São Paulo, assim como na Capital.
 
 
Vida e Arte
Sem informações.
Wakaba
11º Festival Yosakoi Soran

 Grupo Wakaba Yosakoi Soran foi criado em 2005, por Katsuyuki Kajiwara, com o intuito de divulgar a cultura japonesa no Brasil através da moderna dança, o Yosakoi Soran. Neste grande evento, Grupo Wakaba tem o orgulho de apresentar KOURIN. Esta coreografia busca a inspiração no mundo dos deuses, representando a história de AMATERASU, a Deusa do Sol, e de seu irmão SUSANO, Deus das Tormentas e de Tempestades. Conta-se que certa vez a deusa, inconformada com os atos do seu irmão, trancou-se em uma caverna, deixando o mundo em trevas. Os deuses, então, organizaram uma festa para atrair a Deusa para fora da caverna, e assim, permitir que o dia brilhasse novamente.


Apresentação do Wakaba

O grupo Wakaba de Curitiba apresenta a coreografia “Asobimashyo”, de Gisele Onuki, com colaboração especial de Emerson Camargo. Inspirada no filme “Yume, de Akira Kurosawa, a coreografia revela em segmentos seus reflexões sobre vários pontos da vida - infância, guerra, morte, esperança. Assim, a dança relata a inocência, magia e a brincadeira infantil, dentro de um cenário conflitante das batalhas da vida adulta. Entre tantas lutas, percebemos que sempre haverá um momento na qual a criança despertará, trazendo o frescor da esperança e da alegria. Para as crianças há a projeção para um inconsciente adulto e, para estes, uma visão da essência passada, mas não terminada. É a ilusão de um sonho, o sonho de uma ilusão. A música apresentada é a “Yosakoi Soran Wakaba Bushi”, composta especialmente para o grupo por Carlos Toshiki e arranjo de Fábio Lavalle.


Yosai Soran
Yosai significa “fortaleza”, que além de indicar o lugar de origem do grupo, transmite também a sua essência: força, energia e firmeza. O grupo foi criado em setembro de 2007 na Universidade Estadual do Ceará (UECE) com o intuito de difundir a cultura japonesa no estado e promover a integração dos alunos do curso de japonês desta universidade. Embora ainda jovem, o grupo já foi convidado para se apresentar em vários eventos na UECE, no Centro de Convenções, no Centro Cultural Dragão do Mar, entre outros.
 

Em fevereiro de 2008, o grupo, com o apoio da Associação Yosakoi Soran do Brasil, trouxe a Fortaleza a professora Masako Shimahara, especialista em dança Yosakoi Soran, da Japan International Cooparation Agency (JICA) realizando o primeiro workshop desta dança no estado do Ceará. Em março, o grupo também teve a oportunidade de ensinar o Yosakoi Soran a crianças de uma pequena vila de pescadores localizada em Canoa Quebrada, no litoral leste do Ceará. Este ano, o grupo se esforça para poder participar pela primeira vez do Festival Yosakoi Soran Brasil em São Paulo.
 


Nossa primeira apresentação
 

Workshop com a Shimahara-sensei


No Undokai do Instituto Nipo Brasileiro do Ceará




Grupo Y?sai S?ran cantando e dançando “Dokkoisho” no I Concurso de Karaoke da UECE


Em Canoa Quebrada - Aracati- CE

No Hanakai no Centro Cultural Dragão do Mar

 
O grupo Yosai Soran de dança Yosakoi Soran, idealizada pelos alunos do Curso de Japonês da Universidade Estadual do Ceará, foi criado no dia 14 de setembro de 2007.
Embora tenha sido criado recentemente, o grupo já foi convidado para se apresentar em vários eventos, dentre eles, se destacam o 6º Concurso Regional de Oratória em Língua Japonesa, promovido pela Fundação Japão, e o Undokai, promovido pelo Instituto Cultural Nipo Brasileiro do Ceará. No dia 20 de janeiro o grupo também se apresentou no SANA FEST, primeiro evento do ano no estado que marcou o início das comemorações do centenário da imigração japonesa.
Mais recentemente o grupo viajou para Canoa Quebrada no litoral leste do Ceará, onde realizou uma pequena oficina com crianças residentes na pequena vila de pescadores chamada Estevão.
 
Yosakoi
Sem informações.
Yosakoi Soran Nipo Campinas
O grupo de Yosakoi Soran do Instituto Nipo-Brasileiro de Campinas surgiu em meados de 2004, sob a supervisão da mestra de dança clássica japonesa Kyofujima Kanteru, com o objetivo de reavivar a cultura japonesa nos jovens. A atividade foi inspirada em uma apresentação vista na Festa Verde de 2003, promovida pela entidade Kibô-No-Iê.

Yui Soran
 O grupo Yui Soran, de Yosakoi Soran surgiu em 03/03/2007 com a fundação do Centro Educacional Kyoko Oti (Ceko) na cidade de Belém do Pará. Tendo como objetivo incentivar e manifestar as tradições culturais japonesas através da dança. 
    O nome (Yui) significa (União), ou seja, a comunhão entre os jovens, descendentes de japoneses ou não, sendo estes admiradores da cultura, costumes e tradições japonesas.
   Os laços familiares são cultivados entres seus integrantes que atualmente somam 20 pessoas, de ambos os sexos, na faixa de etária entre 12 e 25 anos de idade.
   Nesses anos de existência, fizemos apresentações em diversos locais da capital paraense. Em eventos voltados ou não à cultura nipônica.
Como:
*Encontro da Cultura Brasil e Japão realizado pelo (Ceko) na Associação Pan-amazônica Nipo-Brasileira.
*Amazônia Matsuri, realizado no Hangar - Centro de Convenções e Feiras da Amazônia.
*Eventos voltados ao público otaku como: (Animazon, Shogun, Animangá e Tomodachi).
Zenshin Nipo Campinas
Sem informações.
Associação Yosakoi Soran do Brasil
(44) 3226-4472 / (11) 3541-1809
contato@yosakoisoran.org.br
Nexus Design